Em destaque

Biofilia – Laboratório Vivo

Biofilia significa amor pela vida. Esse é um sentimento inato do ser humano e cultivá-lo é essencial para nossa saúde física e psíquica, bem como para o bem-estar de todas as formas de vida que coexistem conosco em nossa mãe Terra.

A partir dessa perspectiva, nossa proposta é desenvolver estudos, pesquisas e ações a partir de um laboratório vivo. Esse laboratório compreende a natureza viva e suas redes de relações que permitem que a vida se mantenha e se recrie.

Através das metodologias de observação fenomenológica da natureza e das constelações sistêmicas podemos aprender cada vez mais sobre os princípios que mantem a vida e sua rede de relações.

A partir de tais aprendizados, observamos nossas ações, valores, princípios, bem como das organizações da qual somos parte: família, instituições, grupos, comunidades, etc. Deste modo, podemos aprimorá-las para que sejam instrumentos de cooperação com a vida e não instrumentos de destruição, como muitas vezes tem sido.

É por essa razão que nos dedicamos a promover encontros que ampliem nossa rede de cooperação, nos permita desenvolver um olhar sistêmico sobre a vida e nos reconecte com nossa natureza interna e externa. Isso nos fortalece e nos empodera para sermos parte de uma rede que coopera com a vida e sua diversidade criativa.

O papel das árvores urbanas

Foto por Johannes Plenio em Pexels.com

Nos últimos 50 anos, a maior parte da população brasileira saiu da zona rural e passou a ocupar as zonas urbanas. Com o crescimento desordenado das cidades, surgiram os problemas ambientais, dentre os quais podemos citar os desmatamentos, alterações climáticas, como aumento das temperaturas e mudança do regime de chuvas, poluição dos rios, do solo e do ar, dentre outros.

E sabe quem pode nos ajudar a resolver esses problemas? As árvores! Elas tem um papel muito relevante nos espaços urbanos pois bombeiam água do solo para a atmosfera, mantendo as temperaturas mais amenas e o clima mais úmido, o que pode ser sentido nitidamente por quem está abaixo de suas copas. Em áreas muito arborizadas, as árvores podem inclusive aumentar a quantidade e frequência das chuvas, contribuindo para a irrigação dos jardins e áreas agrícolas urbanas e periurbanas. Além disso, as árvores contribuem para a limpeza atmosférica, removendo o gás carbônico e produzindo oxigênio. Além disso, as árvores também contribuem para manter a fertilidade do solo e para a manutenção e aparecimento de nascentes e cursos de água.

Os benefícios das árvores para a qualidade de vida das nossas cidades não param por aí. As árvores fornecem sombra, abrigo e alimento para as pessoas, mas também para várias espécies de animais, servindo também de suporte para o crescimento de líquens, epífitas e cipós. Ou seja, a presença das árvores é essencial para aumentar a biodiversidade urbana e assim, controlar a população de vetores de doenças, como mosquitos, baratas e ratos.

Apesar destes e de tantos outros benefícios trazidos pelas árvores, elas continuam a ser removidas dos espaços urbanos, muitas vezes por razões tão banais como pelo fato de suas folhas sujarem o chão. Precisamos mudar o nosso olhar em favor da vida e de como podemos aprender com ela! Cada folha que cai no chão, é uma forma da árvore agradecer ao solo tudo que ele lhe deu de nutrientes. É dessa forma que as árvores mantém o solo fértil e capaz de gerar mais vida. Para mudar nossas percepções sobre a natureza, a Educação Ambiental tem um papel primordial e cada educador, seja pai, mãe, tia, avó, babá ou professor, é parte fundamental.

Para levar informações como essas para dentro das escolas, nós do Biofilia/UFPE desenvolvemos pesquisas para elaboração de material didático e formas de sensibilizar educadores e educandos. Para isso, contamos com sua preciosa contribuição. Se você é educador e tem ideias de como trabalhar o papel das árvores de forma interdisciplinar, bem como outros temas sobre educação ambiental, acesse nosso formulário (clique aqui) e participe! Com sua participação, você contribui para a construção de uma proposta pedagógica para que cada vez mais pessoas possam compreender e valorizar o papel das árvores em nossas vidas e em nossas cidades. Você também pode contribuir divulgando essa mensagem com outros profissionais da educação.

Lixo na escola: o desafio e a pedagogia do século

Foto por Julia M Cameron em Pexels.com

Um dos maiores desafios da atualidade é garantir as condições para uma sociedade mais sustentável, capaz de suprir suas necessidades sem comprometer as necessidades das futuras gerações. Entre os entraves a serem enfrentados está a questão do gerenciamento dos resíduos sólidos. O aumento populacional, o consumo exagerado e o descarte inadequado dos resíduos gerados têm como consequência graves problemas ambientais e urbanísticos, comprometendo inclusive a saúde humana.

Embora o gerenciamento de nosso lixo não seja uma tarefa fácil, pois depende também de políticas públicas, é urgente que seja praticado e ampliado cada vez mais. Por isso é tão importante o engajamento das escolas nessa prática. Por isso, estamos desenvolvendo uma pesquisa que terá como produto final um Plano Multidisciplinar para a Gestão de Resíduos Sólidos nas Escolas. Esse material tem por objetivo potencializar o trabalho docente e envolvimento de toda a comunidade escolar, contribuir com a aprendizagem de forma multidisciplinar e melhorar a qualidade de vida da comunidade escolar e seu entorno.

Para isso, elaboramos um questionário para entender mais sobre a gestão dos resíduos sólidos na escola. Se você é um profissional da educação que atua ou atuou em alguma instituição de ensino, sinta-se convidado a respondê-lo (reserve entre 20 a 25 minutos). Com sua participação, você contribui para a construção dessa cartilha gratuita que poderá beneficiar você e outros profissionais, além de contribuir para a solução de um dos maiores desafios da humanidade. PARA PARTICIPAR DESSA PESQUISA, CLIQUE AQUI. Para chegarmos a mais profissionais da educação, por favor compartilhe com seus contatos.

Autoras: Tatiana Giles e Cecília Costa. Para saber mais, escreva para tatiana.giles@ufpe.br.

Oração do Eu Planetário

Planeta nosso que estáis no céu,
Sagrado seja o vosso solo.
Cada ser é parte de vós!
Harmonizadas sejam as nossas vontades,
Para o benefício de todas as criaturas:
tanto as da terra, quanto do céu.
Que o alimento que cultivamos a cada dia,
seja saudável e para todos.
Que cada ofensa nossa, seja por nós reparada,
Para que continuemos merecedores da vida.
Que elevemos nossa consciência e
sejamos portadores de todo o bem.
Amém.

Aprender brincando: uma brincadeira para cada dia da semana

Por Cecília Costa*

Cada encontro com uma criança pode ser um presente, mas também inspira muita responsabilidade. Isso porque, além das crianças dependerem dos adultos, elas estão sedentas por aprender, assim todos que estão por perto tornam-se fonte de imitação. Mesmo que você não tenha a intenção de ensinar nada a uma criança, ela está pronta para aprender com você: suas ações e palavras, mas também seus sentimentos e até expressões faciais. Por isso é tão importante que cada adulto busque aprimorar-se para tornar-se um modelo digno de ser imitado pelos pequenos.

Durante a quarentena, o tempo com as crianças aumentou bastante. Por outro lado, elas perderam o tempo presencial na escola e com seus colegas. Por isso, é muito importante encontrar formas saudáveis, educativas e divertidas de estar com elas. Evite deixá-las na frente das telas e aproveite a oportunidade de estarem juntos para criar bons e novos hábitos.

Para lhe ajudar neste desafio, desde o dia 12 de abril/20 nós estamos enviando brincadeiras diárias. Além de divertir e unir toda a família, são brincadeiras que sempre nos ajudam a aprimorar uma nova habilidade. Para receber as brincadeiras diariamente ou adquirir o livro com todas as brincadeiras, cadastre-se em biofilia.com.br.

*Cecília Costa é professora da UFPE, doutora em ecologia, bióloga, pedagoga Waldorf e coordenadora do Biofilia.

Qualidade de vida dos professores

Um dos maiores desafios para alavancar o desenvolvimento de uma nação é garantir aos cidadãos o acesso a uma educação de qualidade e comprometida com a sustentabilidade e com valores éticos.

Vários são os desafios para se atingir essa meta, mas um dos mais relevantes é garantir a qualidade de vida dos professores. Sabemos que parte dessa solução passa por decisões políticas importantes, como aumento salarial e melhores condições de trabalho. Essas soluções parecem muito distantes do que cada um de nós como cidadão pode fazer no curto prazo.

No entanto, há ações que podem tornar-se mais acessíveis, ainda que não sejam fáceis. É o compromisso que cada professor e professora pode assumir com o seu processo de autoeducação e de autocuidado. É pensando nisso que estamos desenvolvendo uma pesquisa que terá como produto final um aplicativo que auxilie na qualidade de vida dos professores da educação básica. Para isso, elaboramos um questionário para entender mais sobre essa realidade. Se você é professor, sinta-se convidado a respondê-lo (reserve entre 20 a 25 minutos). Com sua participação, você contribui para a construção desse aplicativo gratuito que poderá beneficiar você e milhares de outros professores. PARA PARTICIPAR DESSA PESQUISA, CLIQUE AQUI. Para chegarmos a mais professores, por favor compartilhe com seus contatos. Essa pesquisa faz parte do mestrado profissional (Proficiamb/UFPE) de Lívia Moraes e é orientado pela Dra. Cecília Costa. Para saber mais, escreva para livia.moraes@ufpe.br

Reconecte-se

Consigo próprio e com a natureza curativa ao seu redor

Foto por Lukas Rodriguez em Pexels.com

A vida moderna tem nos distanciado de nosso mundo interno e de parte importante de nosso mundo externo. Nosso mundo externo compreende tudo o que é criado pelo ser humano e tudo que é criado pela natureza. Nosso mundo interno compreende nossa fisiologia, da qual em geral não temos consciência, e nosso pensar. O pensar é a parte da qual podemos ter consciência e é através dele que organizamos nossas experiências em conceitos, reformulamos nossas crenças a partir de novas vivências e relacionamos tudo isso de modo a comporem um todo coerente.

Assim nosso mundo interno e externo estão em constante diálogo, pois um alimenta o outro. Através de nossos sentidos (visão, audição, olfato, tato, paladar) trazemos o mundo externo para dentro de nós. Através de nosso pensar, organizamos todas as nossas experiência e damos significado a elas, de modo que cada vez que olhamos para fora estamos projetando os significados que formulamos dentro.

A questão é que nesse percurso que nos conduziu até os tempos atuais estamos nos afastando da natureza e perdendo toda a riqueza que ela pode oferecer ao nosso mundo interno. O tempo na natureza foi substituído principalmente pela tecnologia e tudo o que ela pode nos oferecer: entretenimento, informação, fonte de renda, etc. Assim, levamos ao nosso mundo interno uma quantidade excessiva de informação que chega quase que exclusivamente por sons e imagens. Perdemos a oportunidade de ter vivências junto à natureza, onde todo o nosso corpo e nossos sentidos são incitados a participar.

Assim, nosso mundo externo se torna pobre em experiências, mas sofre uma overdose de informação. Esse excesso chega a nosso pensar, porém não pode ser organizado como experiência, pois é apenas informação. Informação que invade o nosso pensar e nos impede de ter os próprios pensamentos, pois estamos sempre digerindo o pensamento de outros. Isso gera vários transtornos psíquicos que, com o passar do tempo, manifestam-se em sintomas físicos, podendo tornar-se doenças.

Nós temos alguns exercícios mentais para lhe ajudar a organizar seu mundo interno. Para tal, o primeiro passo é manter-se no presente. Isso vai permitir livrar-se do excesso de pensamentos e a partir disso ter foco e mais autonomia sobre sua própria mente. Com o passar do tempo ela vai sendo capaz de, cada vez mais e por mais tempo, concentrar-se naquilo que de fato importa pra você. Além disso, à medida que você a alimenta com mais vivências na natureza torna-se também uma pessoa mais criativa, de modo que passa a formular os seus próprios pensamentos. Para receber nossos áudios de meditação gratuitamente faça o seu cadastro.